terça-feira, 20 de agosto de 2019

Cursos do Blog - Termologia, Óptica e Ondas

Campo visual de um espelho plano

23ª aula
Espelho plano - Campo visual

Borges e Nicolau

Espelho plano
 

É uma superfície plana na qual o fenômeno predominante é a reflexão regular da luz.

Imagem de um ponto num espelho plano

Um ponto P é colocado diante de um espelho plano. Considere dois raios de luz PI e PJ que partem de P e incidem no espelho. Lembrando que o ângulo de reflexão é igual ao ângulo de incidência, construímos os correspondentes raios refletidos cujos prolongamentos encontram-se num ponto P’. Estes raios incidem na vista de um observador e para ele parecem originar-se em P’. O observador vê P’. O ponto P é o vértice de um feixe que incide no espelho, sendo denominado ponto objeto. P’ é o vértice de um feixe que emerge do espelho, sendo denominado ponto imagem.

Quando os raios que definem o vértice do feixe se encontram efetivamente dizemos que o ponto tem natureza real. 

Quando os raios se encontram por meio de prolongamentos, dizemos que o ponto tem natureza virtual.

Assim, P é um ponto objeto real e P’ ponto imagem virtual. Portanto: no espelho plano objeto e imagem têm naturezas opostas.


Observe que os  triângulos POI e P’OI são congruentes.  Concluímos então que PO = P’O, isto é: P e P’ são simétricos em relação à superfície do espelho.

Campo visual de um espelho plano

Ao olhar para a superfície refletora de um espelho, um observador O vê, por reflexão, uma  certa região do espaço. Esta região é chamada campo visual do espelho,  em relação ao observador O. O campo visual depende das dimensões do espelho e da posição do observador.

Para se obter o campo visual deve-se determinar a imagem O’ do olho do observador e unir O’ com os extremos do espelho.


Animações:
Clique aqui e aqui

Exercícios básicos
 

Exercício 1:
A distância entre um ponto objeto P e o correspondente ponto imagem P’, fornecido por um espelho plano é de 30 cm. Qual é a distância do ponto objeto P ao espelho?

Resolução: clique aqui

Exercício 2:
Dois pontos A e B são colocados na frente de um espelho plano, conforme mostra a figura. Determine:
a) a distância entre A e a imagem B’ do ponto B.
b) a distância entre B e a imagem A’ do ponto A.


Resolução: clique aqui 

Exercício 3:
Maria posiciona-se num ponto A diante de um espelho plano. Por reflexão no espelho Maria consegue ver a imagem de Pedrinho posicionado no ponto B?


Resolução: clique aqui

Exercício 4:
Uma barata se desloca numa reta diante de um espelho plano, conforme a figura. Qual é a distância que a barata percorre dentro do campo visual do observador O? O lado de cada quadradinho é igual a 2,0 cm. 


Resolução: clique aqui

Exercício 5:
Um ponto objeto P está diante de um espelho plano. Este sofre uma translação passando da posição (1) para a posição (2). Qual é a distância entre a posição inicial (P’) e a posição final (P”) do ponto imagem? O lado de cada quadradinho é igual a 2,0 cm.


Resolução: clique aqui

Exercícios de revisão

Revisão/Ex 1:
(UEL-PR)
Um observador O observa a imagem de um objeto P refletida num espelho plano horizontal. A figura mostra um feixe de raios luminosos que partem de P. O raio que atinge o observador O é:



a) PEO.
b) PDO.
c) PCO.
d) PBO.
e) PAO


Resolução: clique aqui 

Revisão/Ex 2:
(UERJ)
Uma garota, para observar seu penteado, coloca-se em frente a um espelho plano de parede, situado a 40 cm de uma flor presa na parte de trás dos seus cabelos. Buscando uma visão melhor do arranjo da flor no cabelo, ela segura, com uma das mãos, um pequeno espelho plano atrás da cabeça, a 15 cm da flor. A menor distância entre a flor e sua imagem, vista pela garota no espelho de parede, está próxima de:



a) 55 cm.
b) 70 cm.
c) 95 cm.
d) 110 cm.
e) 125 cm.


Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 3:
(UESPI)
Uma bola vai do ponto A ao ponto B sobre uma mesa horizontal, segundo a trajetória mostrada na figura a seguir. Perpendicularmente à superfície da mesa, existe um espelho plano. Pode-se afirmar que a distância do ponto A à imagem da bola quando ela se encontra no ponto B é igual a:



a) 8 cm
b) 12 cm
c) 16 cm
d) 20 cm
e) 32 cm


Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 4:
(Fuvest-SP)
Uma jovem está parada em A, diante de uma vitrine, cujo vidro, de 3 m de largura, age como uma superfície refletora plana vertical. Ela observa a vitrine e não repara que um amigo, que no instante t0 está em B, se aproxima, com velocidade constante de 1 m/s, como indicado na figura, vista de cima.



Se continuar observando a vitrine, a jovem poderá começar a ver a imagem do amigo, refletida no vidro, após um intervalo de tempo, aproximadamente, de:


a) 2 s.
b) 3 s.
c) 4 s
d) 5 s.
e) 6 s.


Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 5:
(EFOMM-RJ)
Uma pessoa caminha em direção a um espelho fixo com velocidade escalar constante, medida em relação ao solo, conforme mostra a figura abaixo. 



Analisando a situação descrita, pode-se afirmar que:

a) a imagem, de mesmo tamanho, afasta-se do espelho com velocidade de 1,5 m/s.
b) a imagem, de mesmo tamanho, aproxima-se do espelho com velocidade de 3,0xm/s.
c) a pessoa e a sua imagem aproximam-se com velocidade relativa de 3,0 m/s.
d) a pessoa e a sua imagem afastam-se com velocidade relativa de 3,0 m/s.
e) a imagem, aumentada devido à aproximação da pessoa, tem velocidade de 1,5xm/s.


Resolução: clique aqui
b
Desafio:
 




Um observador O situa-se diante de um espelho plano E. 

No instante t = 0 um móvel P está na posição indicada na figura. Sua velocidade vetorial v é constante de módulo 4,0 cm/s, direção horizontal e sentido da esquerda para a direita.

a) O observador O vê a imagem de P no instante t = 0?
b) Em caso positivo, depois de quanto tempo, após partir no instante t = 0, o observador O deixa de ver a imagem de P? 
Em caso negativo, depois de quanto tempo, após partir no instante t = 0, o observador O passa a ver a imagem de P? 
 
A resolução será publicada na próxima terça-feira

Resolução do desafio anterior:

Considere dois espelhos planos A e B, formando entre si um ângulo X. Um raio de luz R incide no espelho A, segundo um ângulo de incidência de 60°. Após refletir no espelho A o raio de luz incide no espelho B e retorna percorrendo, em sentido oposto, a mesma trajetória do raio incidente R. Determine o ângulo X.


Resolução:


x + 30°+90° = 180°
x = 60°

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Cursos do Blog - Mecânica


23ª aula
Aplicando as Leis de Newton

Borges e Nicolau

Leis de Newton

Primeira lei

Um ponto material isolado ou está em repouso ou realiza movimento retilíneo uniforme.

Segunda lei

A resultante das forças aplicadas a um ponto material é igual ao produto de sua massa pela aceleração adquirida:

FR = m.a
Terceira lei

Quando um corpo 1 exerce uma força F12 sobre um corpo 2, este exerce no primeiro outra força F21 de mesma intensidade, mesma direção e sentido oposto.

Exercícios básicos

Exercício 1:
Dois blocos A e B de massas m e M, respectivamente, estão apoiados numa superfície horizontal perfeitamente lisa. Uma força horizontal constante de intensidade F é aplicada ao bloco A.


a) O que ocorre com o peso e força normal que agem em cada bloco?
b) Sendo f a intensidade da força que A exerce em B, qual é a intensidade da força que B exerce em A?
c) Represente todas as forças que agem nos blocos A e B, assim como a aceleração que eles adquirem.
d) Qual é a intensidade da força resultante que age em A e em B?
e) Aplique a cada um dos blocos a segunda lei de Newton, também chamada Princípio Fundamental da Dinâmica (PFD) e obtenha duas equações escalares, relacionando as intensidades das forças resultantes e a intensidade da aceleração.
f) Calcule a intensidade da aceleração a e a intensidade da força f, considerando 
F = 12 N, m = 1,0 kg e M = 2,0 kg.

Resolução: clique aqui

Exercício 2:
Dois blocos A e B de massas m = 1.0 kg e M = 2,0 kg, respectivamente, estão apoiados numa superfície horizontal perfeitamente lisa e ligados por um fio ideal. Uma força horizontal constante de intensidade F = 12 N é aplicada ao bloco B. Determine a intensidade da aceleração dos blocos e a intensidade da força de tração no fio.


Resolução: clique aqui

Exercício 3:
Considere dois blocos A e B de massas m = 2.0 kg e M = 3,0 kg, respectivamente. O bloco A está apoiado numa superfície horizontal perfeitamente lisa e é ligado, por um fio ideal, ao bloco B que se move verticalmente. Considere g = 10 m/s2. Determine a intensidade da aceleração dos blocos e a intensidade da força de tração no fio.


Resolução: clique aqui

Exercício 4:
O bloco B, apoiado numa mesa horizontal e perfeitamente lisa, está ligado por meio de dois fios ideais aos blocos A e C. A aceleração do bloco B é para a direita e tem intensidade a = 2,0 m/s2. As massas de A e B são respectivamente 1,0 kg e 2,0 kg. Considere g = 10 m/s2. Determine as intensidades das forças de tração nos fios e a massa do bloco C.


Resolução: clique aqui

Exercício 5:
Para o sistema de blocos, considere a inexistência de atritos. As massas de A, B e C são, respectivamente, 2,0 kg, 1,0 kg e 3,0 kg. Seja g = 10 m/s2. Determine a aceleração dos blocos, a intensidade da tração no fio que liga A e C e a intensidade da força que A exerce em B.


Resolução: clique aqui

Exercícios de revisão

Revisão/Ex 1:
(Fuvest)
A figura mostra dois blocos A e B empurrados por uma força horizontal constante de intensidade F = 6,0 N, em um plano horizontal sem atrito.



O bloco A tem massa 2,0 kg e o bloco B tem massa 1,0 kg.


a) Qual é o módulo da aceleração do conjunto?
b) Qual é a intensidade da força resultante sobre o bloco A?


Resolução: clique aqui 

Revisão/Ex 2:
(Vunesp)
Dois blocos, A e B, de massas 2,0 kg e 6,0 kg, respectivamente, e ligados por um fio, estão em repouso sobre um plano horizontal. Quando puxado para a direita pela força F mostrada na figura, o conjunto adquire aceleração de 2,0 m/
s2.


Nestas condições, pode-se afirmar que o módulo da resultante das forças que atuam em A e o módulo da resultante das forças que atuam em B valem, em newtons, respectivamente:


a) 4,0 e 16.
b) 16 e 16.
c) 8,0 e 12
d) 4,0 e 12.
e) 1,0 e 3,0


Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 3:
(UFU-MG)
As figuras I e II representam duas montagens realizadas em um laboratório de Física. Na figura I um operador exerce na extremidade livre do fio uma força de intensidade F = 10 N e na figura II prende-se à referida extremidade um bloco B de peso
PB = 10 N.


É correto afirmar, sabendo-se que não há atrito que:

a) A aceleração do bloco A de massa m é nula nos dois casos se m = 1,0 kg.
b) As duas montagens fornecerão mesma aceleração para o bloco A de massa m.
c) A aceleração do bloco A é maior na situação da figura I.
d) A aceleração do bloco A não depende F ou de P.


Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 4:
(Espcex)
Três blocos A, B e C de massas 4 kg, 6 kg e 8 kg, respectivamente, são dispostos, conforme representado no desenho abaixo, em um local onde a aceleração da gravidade g vale 10 m/
s2.


Desprezando todas as forças de atrito e considerando ideais as polias e os fios, a intensidade da força horizontal F que deve ser aplicada ao bloco A, para que o bloco C suba verticalmente com uma aceleração constante de 2 m/
s2, é de:

a) 100 N  
b) 112 N  
c) 124 N  
d) 140 N  
e) 176 N


Resolução: clique aqui 

Revisão/Ex 5:
(UEGO)
Na figura a seguir, os blocos A e B encontram-se apoiados sobre uma superfície horizontal sem atrito, o bloco C está ligado ao bloco A por meio de um fio inextensível que passa por uma polia de massa desprezível, sendo as massas
mA = 4 kg, mB = 1 kg e mC = 5 kg e considerando a aceleração da gravidade g = 10 m/s2.

Nessas condições, é correto afirmar que:

a) o conjunto de blocos A, B e C está em movimento retilíneo uniforme.
b) sendo a soma das massas dos blocos A e B igual à massa do bloco C, podemos afirmar que o sistema se encontra em repouso.
c) a força de contato que A exerce em B e a aceleração são respectivamente 5 N e 5 m/
s2.
d) a tração que o bloco C exerce no fio é de 10 N.
e) não houve conservação de energia mecânica do sistema.


Resolução: clique aqui

Desafio:


As massa dos blocos A e B são respectivamente 3,0 kg e 2,0 kg.
A força F1 tem intensidade 20 N.

Determine:

a) A intensidade da força F2.
b) O módulo da aceleração a dos blocos.

Sabe-se que o bloco A exerce no bloco B uma força de intensidade 26 N.
 
A resolução será publicada na próxima segunda-feira.

Resolução do desafio anterior: 

A figura representa dois blocos, A e B, apoiados um sobre o outro. Os blocos estão em repouso sobre uma mesa.



a) Desenhe todas forças que agem no bloco A.
b) Esclareça onde estão aplicadas as correspondentes reações.


Resolução:


a) Forças que agem no bloco A:




b) Reações das forças que agem em A:


domingo, 18 de agosto de 2019

Arte do Blog

Dando um passeio pelas artes contemporâneas asiáticas, temos conosco Takashi Murakami, artista de diversas formas de expressão, pintor, escultor, desenhista e cineasta. Sua tese de doutorado teve como título: “O significado da falta de sentido no significado”. Em 2008, Murakami foi nomeado pela revista Time como uma das "100 Pessoas Mais Influentes do mundo", sendo o único artista visual incluído.

Mr. DOB

Takashi Murakami

Takashi Murakami nasceu no Japão, em 01 de fevereiro de 1962 e cresceu em Tóquio. Desde pequeno manifestou interesse por animação e mangá (quadrinhos japoneses). Na juventude direcionou seus estudos no sentido de trabalhar na indústria da animação. Depois de graduar-se na TUA Tokyo University of the Arts, Murakami mostrou-se insatisfeito com o estado da arte contemporânea no Japão, acreditando ser "uma profunda apropriação das tendências ocidentais". 

Vacences 2002
x
Assim, grande parte do seu trabalho inicial foi feito no espírito de crítica social e sátira. Ele também começou a desenvolver seu próprio ícone pop, "Mr. DOB ", que viria a tornar-se uma forma de auto-retrato, o primeiro de vários vistos em sua obra. Embora tenha atraído atenção, suas primeiras peças não foram bem recebido no Japão.

"de Eco Rangers Terra Force"

Em 1994, Murakami recebeu uma bolsa do Conselho Cultural da Ásia e participou do PS1 Programa Estúdio Internacional em New York por um ano. Durante a sua estada ele foi altamente inspirado por artistas contemporâneos ocidentais como Anselm Kiefer e especialmente Jeff Koons. Em Nova York ele estabeleceu um pequeno estúdio que, juntamente com a Fábrica Hiropon no Japão, tornou-se o precursor de sua empresa Kaikai Kiki. Depois de voltar ao Japão, ele iria desenvolver os principais conceitos por trás de sua prática artística e começar a exibir regularmente em grandes galerias e instituições de toda a Europa e América.

phoca thumb l

A arte de Murakami abrange uma ampla variedade de mídias e é geralmente descrita como superflat. Seu trabalho tem sido conhecido por seu uso de cores, incorporação de motivos do tradicional e popular da cultura japonesa, superfícies planas / brilhante e conteúdo que possa ser descrito de uma só vez como "bonito", "psicodélico", ou "satírico". Entre seus mais famosos temas recorrentes estão flores sorrindo, personagens icônicos, cogumelos, crânios, símbolos budistas, iconografia e os complexos sexuais da cultura otaku. Em 21 de junho de 2011, o Google apresentou um doodle marcado como "First Day of Summer", que foi criado por Murakami. Isto foi acompanhado por um doodle solstício de inverno para o hemisfério sul.

Francis Bacon Study of Isabel Rawsthorne

Clique aqui e aqui para saber mais.

sábado, 17 de agosto de 2019

Especial de Sábado

Olá pessoal. Conforme combinamos, aí vão as resoluções.

Exercício 1:

(IJSO)
Depois de um temporal um pequeno lago se forma no quintal da casa de um estudante. Ele observa que gotas caem do beiral do telhado, provocando ondas na superfície do lago. Avalia a altura de 5,0 m de onde as gotas começam a cair. Nota que quando uma gota atinge a água, outra gota se desprende do telhado. Observa, ainda, que a distância entre duas frentes de onda sucessivas é de 4,0 cm. Resolve, então, calcular a velocidade de propagação das ondas na superfície da água. 

Adotando g = 10 m/s2, o valor da velocidade encontrado pelo estudante é de:

a) 2,0 cm/s   b) 4,0 cm/s   c) 5,0 cm/s    d) 4,0 cm/s   e) 10 cm/s


Resolução:

O período das ondas formadas é o intervalo de tempo de queda de cada gota:

s = g.t2/2 => 5 = 10.T2/2 => T = 1,0 s

A distância entre duas frentes de ondas sucessivas é o comprimento de onda. Logo:


v = λ/T => v = 4,0cm/1,0s => v = 4,0 cm/s

Resposta: b

Exercício 2:

(Unirio-RJ)
Um vibrador produz ondas planas na superfície de um líquido com frequência f = 10 Hz e comprimento de onda
λ = 28 cm. Ao passarem do meio I para o meio II, como mostra a figura, foi verificada uma mudança na direção de propagação das ondas.


Dados:
sen 30° = cos 60° = 0,5
sen 60° = cos 30° = √3/2
sen 45° = cos 45° =
2/2 e considere 2 = 1,4 

No meio II os valores da frequência e do comprimento de onda serão, respectivamente, iguais a:

a) 10 Hz; 14 cm.
b) 10 Hz; 20 cm.
c) 10 Hz; 25 cm.
d) 15 Hz; 14 cm.
e) 15 Hz; 25 cm.


Resolução:


A frequência não se altera. Logo, a frequência da onda no meio II é f = 10 Hz.

Pela Lei de Snell- Descartes, temos:


vII.sen i = vI.sen r => λII.sen i = λI.sen r =>
λII. sen 45° = λI. sen 30°
λII.(1,4/2) = 28.(1/2) => λII = 20 cm

Resposta: b

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Caiu no vestibular

Olá pessoal. Tentem encontrar as respostas dos exercícios, no sábado, dia 17 de agosto, publicaremos as resoluções.

Exercício 1:

(IJSO)
Depois de um temporal um pequeno lago se forma no quintal da casa de um estudante. Ele observa que gotas caem do beiral do telhado, provocando ondas na superfície do lago. Avalia a altura de 5,0 m de onde as gotas começam a cair. Nota que quando uma gota atinge a água, outra gota se desprende do telhado. Observa, ainda, que a distância entre duas frentes de onda sucessivas é de 4,0 cm. Resolve, então, calcular a velocidade de propagação das ondas na superfície da água. 

Adotando g = 10 m/s2, o valor da velocidade encontrado pelo estudante é de:

a) 2,0 cm/s   b) 4,0 cm/s   c) 5,0 cm/s    d) 4,0 cm/s   e) 10 cm/s


Exercício 2:

(Unirio-RJ)
Um vibrador produz ondas planas na superfície de um líquido com frequência f = 10 Hz e comprimento de onda
λ = 28 cm. Ao passarem do meio I para o meio II, como mostra a figura, foi verificada uma mudança na direção de propagação das ondas.


Dados:
sen 30° = cos 60° = 0,5
sen 60° = cos 30° = √3/2
sen 45° = cos 45° =
2/2 e considere 2 = 1,4 

No meio II os valores da frequência e do comprimento de onda serão, respectivamente, iguais a:

a) 10 Hz; 14 cm.
b) 10 Hz; 20 cm.
c) 10 Hz; 25 cm.
d) 15 Hz; 14 cm.
e) 15 Hz; 25 cm.

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Cursos do Blog - Eletricidade


22ª aula
Amperímetro. Voltímetro. Ponte de Wheatstone

Borges e Nicolau

Amperímetro

Amperímetro é um instrumento destinado a medir intensidade de corrente. Ele deve ser ligado em série com o elemento de circuito cuja corrente se quer medir. No esquema abaixo, o amperímetro mede a intensidade da corrente que percorre o resistor de resistência R.


Para que o amperímetro não altere o valor da intensidade da corrente a ser medida, sua resistência elétrica interna RA deve ser muito baixa.

Amperímetro ideal: resistência RA nula (RA = 0)

Voltímetro

Voltímetro é um instrumento destinado a medir diferença de potencial elétrico (ddp). Ele deve se ligado em paralelo com o elemento de circuito cuja ddp se quer medir. No esquema abaixo, o voltímetro mede a ddp entre os terminais do resistor de resistência R.


Para que o voltímetro não altere o valor da ddp a ser medida, sua resistência elétrica interna RV deve ser muito alta.

Voltímetro ideal: resistência RV infinitamente grande (RV → ∞).

Ponte de Wheatstone

É a associação constituída de quatro resistores ligados segundo os lados de um losango. Entre dois vértices opostos liga-se um gerador e entre os outros dois, um galvanômetro (instrumento que detecta correntes elétricas de pequena intensidade).


A ponte de Wheatstone está em equilíbrio quando não passa corrente elétrica pelo galvanômetro. Nestas condições, os produtos das resistências dos lados opostos são iguais:

R1.R3 = R2.R4

A ponte de Wheatstone4é um instrumento utilizado para determinar o valor da resistência elétrica de4um resistor. Assim, vamos supor que se queira determinar o valor R4 da resistência de um resistor. Conhecidos os valores de R1 e R2, ajusta-se o valor de R3 (por meio de um reostato, que é um resistor cuja resistência pode ser ajustada), até que4ponte fique em equilíbrio. Da relação acima, entre as resistências, calcula-se o valor de R4.

Exercícios básicos

Nos exercícios 1 e 2 abaixo, considere o amperímetro ideal. Determine, em cada caso, a leitura do amperímetro.

Exercício 1:


Resolução: clique aqui

Exercício 2:


Resolução: clique aqui

Exercício 3:
Determine a leitura do voltímetro V considerado ideal.


Resolução: clique aqui

Exercício 4:
Considere a ponte de Wheatstone, esquematizada abaixo, em equilíbrio. Qual é o valor da resistência elétrica R?


Resolução: clique aqui

Exercício 5:
Determine a resistência elétrica equivalente entre os terminais A e B da associação de resistores abaixo.


Resolução: clique aqui

Exercícios de revisão

Revisão/Ex 1:
(UEL-PR)
O instrumento destinado a medir a intensidade de corrente elétrica é chamado de amperímetro. Para medir a intensidade da corrente que passa por um fio é preciso primeiro cortá-lo, para depois, então, conectar o amperímetro no circuito, de modo que a corrente atravesse o instrumento de medida. Com esta informação, conclui-se que é essencial que a resistência do amperímetro seja:

a) grande, quando comparada com qualquer uma das resistências presentes no circuito.
b) aproximadamente igual à maioria das resistências presentes no circuito.
c) aproximadamente igual à maior das resistências presentes no circuito.
d) aproximadamente igual à menor das resistências presentes no circuito.
e) pequena, quando comparada com qualquer uma das resistências presentes no circuito.


Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 2:
(UFRN)
Pedro deseja determinar a diferença de potencial elétrico no resistor
R1 e a corrente elétrica no resistor R2 do circuito a seguir.


Marque a opção em que o voltímetro (V) e o amperímetro (A) estão corretamente conectados, de modo que Pedro possa medir as grandezas desejadas.



Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 3:
Na figura estão representadas cinco lâmpadas iguais (1, 2, 3, 4 e 5). Os terminais X e Y do circuito elétrico estão submetidos a uma diferença de potencial elétrico constante. Qual dessas lâmpadas pode ser retirada do circuito sem alterar a luminosidade das outras lâmpadas?


a) 1.
b) 2.
c) 3.
d) 4.
e) 5.


Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 4:
(FUVEST-SP)
O circuito mostra três resistores, uma bateria, um amperímetro, fios de ligação e uma chave. Qual é a intensidade da corrente acusada pelo amperímetro, suposto ideal, quando a chave está:

a) aberta     b) fechada



Resolução: clique aqui

Revisão/Ex 5:
(UEL-PR)
Abaixo está esquematizado um trecho de circuito em que todos os resistores são iguais.
Entre os pontos A e F existe uma diferença de potencial de 500 V. Entretanto, pode-se tocar simultaneamente em dois pontos desse circuito sem tomar um "choque". Esses pontos são:



a) B e C.
b) B e D.
c) C e D.
d) C e E.
e) D e E.


Resolução: clique aqui
n
Desafio: 

Para o circuito baixo, considere  R = 3,0 Ω  e U = 24 V. Qual é a leitura do amperímetro A, suposto ideal?


A resolução será publicada na próxima quarta-feira.

Resolução do desafio anterior: 

Considere a associação abaixo, cujos terminais são A e B. Qual é a resistência do resistor equivalente?

 

Resolução:

Analisando a associação dada observamos que todos os resistores estão em curto-circuito. Logo, a resistência do resistor equivalente da associação, entre os terminais A e B, é nula.

Outro modo é considerar que os pontos ligados por fios sem resistência têm o mesmo potencial e podem ser considerados coincidentes. Assim, temos:



Se A coincide com B, resulta que a resistência equivalente entre A e B é nula.