quarta-feira, 26 de julho de 2017

Cursos do Blog - Eletricidade

Volta às aulas

A partir do dia 02 de agosto de 2017 voltaremos a publicar aulas do curso de Eletricidade, que normalmente é ministrado no terceiro ano do ensino médio.
Acompanhe as aulas: leia a teoria, resolva os exercícios básicos e complete o estudo de cada aula resolvendo os exercícios de revisão. Depois tente resolver os desafios. Utilize nossos comentários e tire suas dúvidas.

Programação 2017 - 2º Semestre

03/01/2018: Resolução do Simulado - Questões discursivas
27/12: Resolução do Simulado - Questões de múltipla escolha
20/12: Simulado
13/12: 39ª aula - As forças fundamentais da Natureza
06/12: 38ª aula - O átomo de Bohr
29/11: 37ª aula - O caráter dual da luz
22/11: 36ª aula - Efeito Fotoelétrico (II)
15/11: 35ª aula - Efeito Fotoelétrico (I)
08/11: 34ª aula - Voltando ao terceiro fenômeno eletromagnético
01/11: 33ª aula - Voltando ao segundo fenômeno eletromagnético
25/10: 32ª aula - Eletromagnetismo - Condutores paralelos
18/10: 31ª aula - Voltando ao primeiro fenômeno eletromagnético
11/10: 30ª aula - Terceiro fenômeno eletromagnético
04/10: 29ª aula - Segundo fenômeno eletromagnético
27/09: 28ª aula - Eletromagnetismo
20/09: 27ª aula - Capacitores. Capacitor num circuito elétrico
13/09: 26ª aula - Circuito gerador-receptor-resistor
06/09: 25ª aula - Receptor Elétrico. Força contra-eletromotriz. Equação do receptor. Curva característica do receptor
30/08: 24ª aula - Lei de Pouillet. Associação de geradores
23/08: 23ª aula - Gerador Elétrico. Força eletromotriz. Equação do gerador. Curva característica de um gerador
16/08: 22ª aula - Amperímetro. Voltímetro. Ponte de Wheatstone
09/08: 21ª aula - Associação de Resistores (II)
02/08: 20ª aula - Associação de Resistores

terça-feira, 25 de julho de 2017

Cursos do Blog - Termologia, Óptica e Ondas

Volta às aulas

A partir do dia 01 de agosto de 2017 voltaremos a publicar aulas do curso de Termologia, Óptica e Ondas, que normalmente é ministrado no segundo ano do ensino médio.
Acompanhe as aulas: leia a teoria, resolva os exercícios básicos e complete o estudo de cada aula resolvendo os exercícios de revisão. Depois tente resolver os desafios. Utilize nossos comentários e tire suas dúvidas.

Programação 2017 - 2º Semestre

02/01/2018: Resolução do Simulado - Questões discursivas
26/12: Resolução do Simulado - Questões de múltipla escolha
19/12: Simulado
12/12: 39ª aula - Cordas vibrantes / Tubos sonoros
05/12: 38ª aula - Ondas sonoras
28/11: 37ª aula - Fenômenos Ondulatórios
21/11: 36ª aula - Reflexão e Refração de Ondas
14/11: 35ª aula - Conceito de onda. Natureza das ondas. Tipos de ondas
07/11: 34ª aula - Óptica da Visão
31/10: 33ª aula - Equação de Gauss. Aumento linear transversal
24/10: 32ª aula - Construção de imagens nas lentes Esféricas Delgadas
17/10: 31ª aula - Lentes esféricas. Comportamento óptico. Elementos geométricos. Dois raios notáveis
10/10: 30ª aula - Dioptro Plano. Dispersão luminosa
03/10: 29ª aula - Reflexão Total
26/09: 28ª aula - Refração da luz. Índice de refração absoluto. 

Lei de Snell-Descartes
19/09: 27ª aula - Equação de Gauss. Aumento linear transversal
12/09: 26ª aula - Construção de imagens nos espelhos esféricos
05/09: 25ª aula - Espelhos esféricos. Elementos geométricos de um espelho esférico Dois raios notáveis
29/08: 24ª aula - Imagem de um objeto extenso. Associação de espelhos planos
22/08: 23ª aula - Espelho plano - Campo visual
15/08: 22ª aula - Reflexão da Luz. Lei da Reflexão. A cor de um corpo por reflexão
08/08: 21ª aula - Sombra. Eclipses. Câmara escura de orifício
01/08: 20ª aula - Princípios da Óptica Geométrica

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Cursos do Blog - Mecânica

Volta às aulas

A partir do dia 31 de julho de 2017 voltaremos a publicar aulas do curso de Mecânica, que normalmente é ministrado no primeiro ano do ensino médio.
Acompanhe as aulas: leia a teoria, resolva os exercícios básicos e complete o estudo de cada aula resolvendo os exercícios de revisão. Depois tente resolver os desafios. Utilize nossos comentários e tire suas dúvidas.

Programação 2017 - 2º Semestre
 

01/01/2018: Resolução do Simulado - Questões discursivas
25/12: Resolução do Simulado - Questões de múltipla escolha
18/12: Simulado
11/12: 39ª aula - Estática do corpo extenso
04/12: 38ª aula - 05/12 - Estática do ponto material
27/11: 37ª aula - 28/11 - Lei da Gravitação Universal
20/11: 36ª aula - Gravitação. Leis de Kepler
13/11: 35ª aula - Conservação da Quantidade de Movimento
06/11: 34ª aula - Teorema do Impulso
30/10: 33ª aula - 31/10 - Impulso e Quantidade de Movimento
23/10: 32ª aula - Energia potencial Gravitacional e Elástica. Energia Mecânica
16/10: 31ª aula - Energia Cinética. Teorema da Energia Cinética
09/10: 30ª aula - Trabalho de uma força qualquer. Trabalho da força elástica
02/10: 29ª aula - Trabalho de uma força constante. Trabalho do peso
25/09: 28ª aula - 26/09 - Aplicações
18/09: 27ª aula - 19/09 - Forças em trajetórias curvilíneas
11/09: 26ª aula - Atrito estático
04/09: 25ª aula - Atrito dinâmico
28/08: 24ª aula - Aplicando as Leis de Newton (II)
21/08: 23ª aula - Aplicando as Leis de Newton
14/08: 22ª aula - Terceira Lei de Newton 
07/08: 21ª aula - Segunda Lei de Newton. Peso de um corpo
31/07: 20ª aula - Primeira Lei de Newton

domingo, 23 de julho de 2017

Arte do Blog


Alex Raymond

Alexander "Alex" Gillespie Raymond nasceu em New Rochelle, Nova York, em 1909. Foi um artista prolífico que criou personagens marcantes e, com seu belo traço teve grande influência sobre alguns dos mais expressivos artistas do movimento denominado pop art. Depois de estudar desenho na Grand Central School of Art, em Nova York, Alex Raymond começou a vida profissional como auxiliar de escritório e talvez continuasse a labutar como burocrata se não fosse a quebra da Bolsa, em 1929, que fez com que perdesse o emprego. Com notório talento para o desenho, Alex ingressa no King Features Syndicate como desenhista-assistente, executando histórias assinadas por outros. Depois de ganhar um concurso interno, em 1934, dá início a sua produção.



A aventura interplanetária Flash Gordon no Planeta Mongo, seu trabalho de estréia, foi um retumbante sucesso desde a primeira publicação, em uma prancha dominical do New York American Journal, em janeiro de 1934.


Flash Gordon foi criado para rivalizar com Buck Rogers, heroi interplanetário que fazia sucesso em tiras dominicais ao lado de Tarzan. Alex Raymond criou um personagem nos moldes do homem macaco e chamou-o de Jim das Selvas, mas vestiu-o de caçador, fazendo contraponto à quase nudez de Tarzan.


Alex Raymond tinha faro para figurinos impactantes. As roupas de Dale Arden causaram alvoroço. Eram elegantes e avançadas, saias curtíssimas, ou eventualmente longas, mas com grandes aberturas, vez por outra transparentes, valorizando as belas pernas da heroina. Tal figurino fazia contraponto à moral da época que gostava de cobrir as mulheres. O planeta Mongo, palco das aventuras de Flash e seus companheiros, Dr. Zarkov e Dale Arden, era habitado por diversas culturas, algumas tecnologicamente avançadas, mas todas sob o domínio do cruel Ming, o Impiedoso.


Em sua juventude, George Lucas foi fã dos seriados de Flash Gordon e tencionava adaptá-los para a tela como uma espécie de mito modernizado. Todavia, Dino De Laurentiis que detinha os direitos de filmagem, não se interessou pela proposta de Lucas e então este resolveu escrever Star Wars, a qual se baseou livremente nos seriados. A sequência de abertura com um texto explicativo como se vê nos episódios de Flash Gordon Conquers the Universe, tornou-se a agora famosa abertura do texto que rola rumo ao infinito, no início de cada episódio de "Star Wars". Flash Gordon e Dale Arden não inspiraram somente Luke Skywalker e a Princesa Leia, mas também seus pais, Anakin Skywalker e Padmé Amidala.


Em 1946 Raymon dá vida a um novo personagem, o detetive-cientista Rip Kirby, que não atinge a mesma popularidade de suas outras criações. Em 1950 torna-se presidente da Sociedade Nacional de Cartunistas, cargo que ocupa até 1951. Morre cinco anos depois, em 1956, em um acidente de carro, com fama de o melhor traço da história dos quadrinhos.

Saiba mais aqui

sábado, 22 de julho de 2017

Especial de Sábado

Ganhadores do Premio Nobel de Física

Borges e Nicolau
x
2014
Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura, "pela invenção de diodos azuis emissores de luz que permitiram fontes de luz brilhantes e economizadoras de energia".

Isamu Akasaki (1929), Hiroshi Amano (1960) e Shuji Nakamura(1954)

Isamu Akasaki nasceu em Kagoshima, Japão, em 30 de janeiro de 1929. Estudou engenharia elétrica na Universidade de Quioto, obtendo um doutorado na Universidade de Nagoya. Seus primeiros trabalhos na área da optoeletrônica e diodos emissores de luz foram realizados no final da década de 1960 e na década de 1970. Em 1981 e nos anos seguintes, tendo retornado à Universidade de Nagoya onde conseguiu produzir em 1989 o primeiro diodo emissor de luz azul eficiente. Anteriormente eram produzidos apenas LEDs azuis baseados no semicondutor indireto carbeto de silício. Estes LEDs foram disponibilizados ao mercado na década de 1970, mas não foram utilizados em grande escala em razão de sua baixa eficiência.

Hiroshi Amano nasceu em Hamamatsu, Japão, em 11 de setembro de 1960. Foi laureado com o Nobel de Física de 2014, em conjunto com Isamu Akasaki e Shuji Nakamura, pela invenção de diodos azuis emissores de luz que permitiram fontes de luz brilhantes e economizadoras de energia.
Hiroshi Amano obteve em 1983 um bacharelado em engenharia e em 1985 um mestrado em engenharia na Universidade de Nagoya, onde também obteve um doutorado em 1989. De 1988 e 1992 foi pesquisador associado da Universidade de Nagoya, e em 1992 aceitou um chamado da Universidade Meijō como professor associado, onde tornou-se professor ordinário em abril de 2002. Desde 2010 é professor da Graduate School of Engineering da Universidade de Nagoya.


Shuji Nakamura nasceu em Ikata, Ehime, Japão, em 22 de maio de 1954. É um engenheiro japonês-estadunidense. Foi laureado com o Nobel da Física de 2014, em conjunto com Isamu Akasaki e Hiroshi Amano, "pela invenção de diodos azuis emissores de luz que permitiram fontes de luz brilhantes e economizadoras de energia". Saiba mais aqui.

Próximo Sábado: Ganhadores do Premio Nobel de 2015:
Takaaki Kajita e Arthur Bruce McDonald pela descoberta das oscilações do neutrino, que mostram que os neutrinos têm massa".

sexta-feira, 21 de julho de 2017

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Caiu no vestibular

Gabarito da Coletânea de exercícios de 19/07

Exercícios básicos:
1.d 2. 1,0.10-11 m = 0,1 Å e 6,7.10-12 m = 0,067 Å 3.Ondas de rádio; raios infravermelhos; luz amarela; raios X e raios gama, 4.e; 5.b; 6.b

Exercícios de revisão:
1.c; 2.e; 3.a 4.c

Resolução dos exercícios 6, 7 e 8.

Caiu no vestibular

Exercício 6:

(UECE)
De acordo com dados de um fabricante de fogões, uma panela com 2,2 litros de água à temperatura ambiente chega a 90 °C em pouco mais de seis minutos em um fogão elétrico. O mesmo teste foi feito em um fogão convencional, a GLP, sendo necessários 11,5 minutos. Sobre a água aquecida, é correto afirmar que


A) adquiriu mais energia térmica no fogão convencional.

B) adquiriu mais energia térmica no fogão elétrico.
C) ganha a mesma energia térmica para atingir 90 °C nas duas experiências.
D) nos dois experimentos o ganho de energia térmica não depende da variação de temperatura sofrida.


Resolução:

A mesma massa m de água sofre a mesma variação de temperatura Δθ, nos dois fogões. Portanto, elas recebem a mesma quantidade de calor
Q = m.cágua.Δθ e, portanto, ganham a mesma energia térmica.

Resposta: C

Exercício 7:

(UECE)
Considere que duas panelas elétricas, de diferentes fabricantes (Z e Y), elevam a temperatura da água de 21 °C até a fervura ao nível do mar. Em uma delas, a do fabricante Z, 2 litros de água fervem em 5 minutos e na outra, a do fabricante Y, 4 litros chegam à ebulição em 10 minutos. Sobre a potência utilizada para o aquecimento do líquido nas panelas dos fabricantes Z e Y, é correto afirmar que


A) POTÊNCIAz = 2.POTÊNCIAy
B) POTÊNCIAz = POTÊNCIAy
C) POTÊNCIAz = 5.POTÊNCIAy
D) POTÊNCIAz = 10.POTÊNCIAy


Resolução:

Fabricante Z
m: massa de 2L de água; Δθ: variação de temperatura; c: calor específico sensível da água; Δt = 5min: tempo para ferver a água.

PotZ = Q/Δt = m.c.Δθ/Δt (1)

Fabricante Y
2m: massa de 4L de água; Δθ: variação de temperatura; c: calor específico sensível da água; ΔtY = 10min = 2.Δt: tempo para ferver a água.


PotY = Q/Δt = 2.m.c.Δθ/2.Δt => PotY = m.c.Δθ/Δt (2)

De (1) e (2), vem: PotZ = PotY 

Resposta: B

Exercício 8:

(PUC-SP)
Uma xícara contém 30 mL de café a 60 °C. Qual a quantidade, em mL, de leite frio, cuja temperatura é de 10 °C, que devemos despejar nessa xícara para obtermos uma mistura de café com leite a 40 °C?



www.aguadoce.com.br

Considere as trocas de calor apenas entre o café e o leite, seus calores específicos iguais e suas densidades iguais a 1g/cm3.

a) 15
b) 20
c) 25
d) 35


Resolução:

Massa de café:

m = d. V => m= 1 g/cm3.30cm3 => m = 30 g
Observe que 1 mL = 1 cm3


Princípio das Trocas de Calor

Qcafé + Qleite = 0
(m.c.Δθ)café + (m.c.Δθ)leite= 0 => 30.c.(40-60) + m.c.(40-10) =>
-600.c + 30.m.c = 0 => 30.m = 600 => m = 20 g

Resposta: b

Exercícios propostos

Exercício 9:

(OBC)
Um bloco de gelo a 0°C e sob pressão normal, tem a forma de um paralelepípedo de espessura e = 20 cm. A área A do bloco de gelo exposta perpendicularmente à direção dos raios solares é igual a 400 cm2. O bloco de gelo sofre fusão absorvendo 40% da energia radiante proveniente do Sol. Sendo Lf = 80 cal/g o calor latente de fusão do gelo, dg = 0,92 g/cm3 a densidade do gelo e CS = 1,35 kJ/m2.s, a quantidade média de energia solar que atinge a Terra por unidade de área e por unidade de tempo
(chamada constante solar) e considerando 1 cal = 4J, pode –se afirmar que todo bloco de gelo sofre fusão após, aproximadamente:


a) 44 s   b) 109 s   c) 139 s   d) 44 min   e ) 88 min.

Exercício 10:

(EFOMM)
Em um dia muito quente, em que a temperatura ambiente era de 30°C, Sr. Aldemir pegou um copo com volume de 194 cm3 de suco à temperatura ambiente e mergulhou nele dois cubos de gelo de massa 15 g cada. O gelo estava a -4°C e fundiu-se por completo. Supondo que o suco tem o mesmo calor específico e densidade que a água e que a troca de calor ocorra somente entre o gelo e o suco, qual a temperatura final do suco do Sr. Aldemir?

Assinale a alternativa CORRETA.
Dados: ccágua = 1,0 cal/g.°C; cgelo = 0,5 cal/g°C; e Lgelo = 80 cal/g
dcágua = dsuco = 1,0 g/cm3


(a) 0 °C
(b) 2 °C
(c) 12 °C
(d) 15 °C
(e) 26 °C

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Coletânea de exercícios

Hoje estamos publicando alguns exercícios escolhidos especialmente para você. Tente resolver, publicaremos o gabarito amanhã.

Exercícios básicos

Exercício 1:
Todas as ondas eletromagnéticas apresentam, no vácuo, iguais:


a) frequências
b) comprimentos de onda
c) amplitudes
d) velocidades
e) direções


Exercício 2:
Certa radiação eletromagnética apresenta frequência igual a 3,0.1019 Hz. Determine o comprimento de onda dessa radiação quando se propaga no vácuo, com velocidade 3,0.108 m/s e num outro meio em que a velocidade vale
2,0.108 m/s. Expresse os resultados em metros e em ângstrons. 


Exercício 3:
Coloque em ordem decrescente de frequência as seguintes radiações eletromagnéticas: raios gama, ondas de rádio, luz amarela, raios infravermelhos, raios X.


Exercício 4:
Uma das diferenças básicas entre luz e som é que as ondas luminosas ao contrário das sonoras:

a) não se propagam no vácuo
b) não sofrem difração
c) não sofrem polarização
d) não se propagam nos meio materiais
e) não são longitudinais


Exercício 5: 
O fato de ondas luminosas sofrerem polarização permite concluir que elas:

a) não se propagam no vácuo
b) são transversais
c) possuem grandes comprimentos de onda
d) são longitudinais
e) apresentam velocidades muito elevadas


Exercício 6:
Sabe-se que a difração é dificilmente perceptível para as ondas luminosas. Esta ocorrência está diretamente relacionada com:


a) as baixas velocidade com que se propagam
b) os pequenos comprimentos de onda que apresentam
c) o fato de serem ondas do tipo transversal
d) o fato de serem ondas do tipo longitudinal
e) suas baixas frequências


Exercícios de revisão

Exercício 1:
(Fuvest-SP)
Radiações como Raios X, luz verde, luz ultravioleta, microondas ou ondas de rádio, são caracterizadas por seu comprimento de onda (λ) e por sua frequência (f). Quando essas radiações propagam-se no vácuo, todas apresentam o mesmo valor para:


a) λ           b) f           c) λ.f          d) λ/f           e) λ2/f          

Exercício 2:
(UNIRP)
Aponte o conjunto que está em ordem crescente de comprimento de onda:


a) vermelho, azul, verde
b) vermelho, violeta, azul
c) verde, azul, violeta
d) vermelho, laranja, amarelo
e) violeta, azul, verde


Exercício 3:
(Vunesp)
Cada figura seguinte representa, num dado instante, o valor (em escala arbitrária) do campo elétrico E associado a uma onda eletromagnética que se propaga no vácuo ao longo do eixo x, correspondente a uma determinada cor. As cores representadas são violeta, verde e laranja, não necessariamente nesta ordem. Sabe-se que a frequência da luz violeta é a mais alta dentre as três cores, enquanto a da luz laranja é a mais baixa.



 
Identifique a alternativa que associa corretamente, na ordem de cima para   baixo, cada cor com sua respectiva representação gráfica.


a) laranja, violeta, verde.  
b) violeta, verde, laranja.  
c) laranja, verde, violeta.
d) violeta, laranja, verde.
e) verde, laranja, violeta.


Exercício 4:
O fato de as ondas luminosas apresentarem pequeno comprimento de onda     faz com que elas:

a) não sofram difração
b) não sofram polarização
c) sofram difração dificilmente perceptível
d) sofram polarização, ao contrário das ondas sonoras
e) propaguem-se no vácuo

terça-feira, 18 de julho de 2017

A Física explica


Ensinar Física para alunos do século XXI: como ensinar unidades e medidas. Meio metrinho ou meio metrão?

Professor Márcio Medina
Departamento de Física, Colégio Pedro II, Niterói, RJ, Brasil e Colégio QI, Unidade Botafogo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Fonte: Revista "A física na Escola"

Clique aqui

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Leituras do Blog

Tensão superficial

Borges e Nicolau

Ao colocarmos uma pequena colher de aço num recipiente com água ela afunda, pois a densidade do aço é maior do que a da água. Mas por que ao colocarmos horizontalmente, com cuidado, uma agulha de aço sobre a superfície da água, ela não afunda? A resposta é que a superfície da água comporta-se como uma membrana elástica em tensão que resiste a se romper.


Clique para ampliar

Este fenômeno é denominado tensão superficial e ocorre não só com a água, mas também com outros líquidos. A formação desta membrana explica por que a água fica acima da borda de um copo, sem derramar, quando está na iminência de transbordar.



Como se explica a formação desta membrana? Considere uma molécula A de água no interior e outra B, na superfície. A molécula interna A está em equilíbrio sob ação das forças de coesão exercidas pelas moléculas que a rodeiam. Já a molécula B está sujeita a forças de coesão por partes das moléculas superficiais e daquelas que estão abaixo. A resultante das forças de coesão que age em B esta orientada para baixo. Assim, a camada superficial funciona como uma membrana, comprimindo as moléculas de baixo.



Clique para ampliar

Devido a este fenômeno a área superficial de um líquido tende a tornar-se a menor possível. Por isso, na ausência de forças externas as gotas de um líquido tendem a assumir a forma esférica que é a de menor área para um dado volume. No interior das naves espaciais, devido a imponderabilidade, as gotas de qualquer líquido solto no ambiente, assumem a forma esférica.

Clique aqui e aqui

Os detergentes diminuem a tensão superficial da água, permitindo que ela penetre com maior facilidade em locais de difícil acesso como cantos e orifícios pequenos, o que auxilia na limpeza de utensílios. Uma agulha colocada na superfície da água e suportada pela tensão superficial afunda quando algumas gotas de detergente são despejadas no recipiente.

Clique aqui e aqui

domingo, 16 de julho de 2017

Arte do Blog

Cais das Artes - Paulo Mendes da Rocha + METRO

Ricardo Canton

Nos últimos 10 anos surgiram, na esteira da inovação e dos avanços científicos, oportunidades em áreas que demandam conhecimento tecnológico na produção de imagens computadorizadas. Hoje apresentamos um artista jovem, Ricardo Canton, paulistano, arquiteto formado pelo Mackenzie em 2004. Ricardo produz imagens de arquitetura. Veja alguns de seus trabalhos realizados para renomados profissionais.

Museu do Chocolate - Metro Arquitetos

Orquidário - Parque Villa Lobos - Décio Tozzi 


Sede do Campo de Golfe - RIO - 2016 - AR-arquitetos



 Nova Galeria Leme - Paulo Mendes da Rocha + METRO


Sebrae Belo Horizonte - SpadoniAA


Instituto Moreira Salles - SPBR


Instituto Moreira Salles - SPBR
 
Se você quiser saber mais sobre computação gráfica voltada à arquitetura e conhecer outros trabalhos de Ricardo Canton, acesse:
https://www.facebook.com/arca3d

sábado, 15 de julho de 2017

Especial de Sábado

Ganhadores do Premio Nobel de Física

Borges e Nicolau
x
2013
Peter Higgs e François Englert, "pela descoberta do mecanismo que contribuiu para o entendimento da origem da massa das partículas sub-atômicas e que foi confirmada através da descoberta da partícula fundamental, pelos experimentos ATLAS e Solenoide de Múon Compacto no Grande Colisor de Hádrons do CERN".


Peter Higgs (1929), físico britânico e François Englert (1932), físico belga

Prêmio Nobel de Física 2013


Peter Ware Higgs FRS, FRSE, FKC é um físico teórico britânico e professor emérito da Universidade de Edimburgo. Foi laureado com o Nobel de Física de 2013, juntamente com François Englert, pela descoberta do mecanismo de Higgs. Peter Higgs nasceu em 29 de maio de 1929, em Newcastle upon Tyne, Reino Unido.
Prêmios: Nobel de Física (2013) · Prêmio Wolf de Física (2004) · Medalha Hughes (1981) · Dirac Medal of the Institute of Physics (1997)
Formação: King's College de Londres · Cotham School


François Englert nasceu em Etterbeek, Bélgica, em 6 de novembro de 1932. Foi laureado com o Nobel de Física de 2013, juntamente com Peter Higgs, pela descoberta do mecanismo de Higgs. Filho de judeus, sobreviveu ao Holocausto. Durante a Segunda Guerra Mundial foi uma das chamadas "crianças escondidas".
Englert obteve a graduação em engenharia mecânica e elétrica em 1955 na Université Libre de Bruxelles (ULB), onde obteve um doutorado em física em 1959. Depois trabalhou até 1961 na Universidade Cornell com Robert Brout, sendo no final professor assistente. Voltou para Bruxelas, onde tornou-se professor.


Próximo Sábado: Ganhadores do Premio Nobel de 2014:
Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura dividem o Nobel de Física pela invenção de nova fonte de luz branca.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Caiu no vestibular

Resolução dos exercícios 4 e 5.
Exercícios propostos: 6, 7 e 8.

Exercício 4:

(OBC)
Os coeficientes de dilatação linear de alguns metais são dados na tabela abaixo:
Com duas tiras desses metais, justapostas e bem aderidas, constrói-se uma lâmina bimetálica. Ela apresenta-se reta à temperatura θ0
. Aquecendo-se a lâmina bimetálica ou resfriando-a, ela assume os aspectos indicados abaixo.




Qual das alternativas apresenta uma possibilidade correta?

a) Lâmina1:prata; lâmina2:ouro; (θ1 > θ0) e (θ2 < θ0)
b) Lâmina1:ouro; lâmina2:chumbo; (θ1 < θ0) e (θ2 > θ0)
c) Lâmina1:prata; lâmina2:zinco; (θ1 > θ0) e (θ2 < θ0)
d) Lâmina1:prata; lâmina2:alumínio; (θ1 < θ0) e (θ2 > θ0)
e) Lâmina1:zinco; lâmina2:alumínio; (θ1 > θ0) e (θ2 < θ0)


Resolução

Analisando as alternativas, concluímos que a resposta correta é c). De fato, o zinco (lâmina 2) possui coeficiente de dilatação maior do que a prata (lâmina 1). Aquecendo-se a lâmina (θ1 > θ0) a tira de zinco por dilatar-se mais passa a ser o arco externo e a tira de prata o arco interno. Resfriando-se a lâmina (θ2 < θ0), a tira de zinco se contrai mais e passa a ser o arco interno.

Resposta: c

Exercício 5:

(OBC)
Uma placa quadrada de lado L0 é constituída de um metal de coeficiente de dilatação linear alpha. A placa é aquecida e sua temperatura sofre um aumento igual a Δθ. A diagonal da placa passa a ter um comprimento d tal que:

a) d = L0.(1+αΔθ)
b) d = L0.(1+2αΔθ)
c) d = L0.(1+3αΔθ)
d) d = L02.(1+αΔθ)
e) d = L02.(1+2αΔθ)


Resolução:

Sendo L0 o comprimento do lado do quadrado, concluímos que sua diagonal é igual a L02. Sendo a placa aquecida, sofrendo um aumento da temperatura Δθ, seu comprimento passa a ser: d = L02.(1+αΔθ)

Resposta: d

Exercícios Propostos

Exercício 6:

(UECE)
De acordo com dados de um fabricante de fogões, uma panela com 2,2 litros de água à temperatura ambiente chega a 90 °C em pouco mais de seis minutos em um fogão elétrico. O mesmo teste foi feito em um fogão convencional, a GLP, sendo necessários 11,5 minutos. Sobre a água aquecida, é correto afirmar que

A) adquiriu mais energia térmica no fogão convencional.

B) adquiriu mais energia térmica no fogão elétrico.
C) ganha a mesma energia térmica para atingir 90 °C nas duas experiências.
D) nos dois experimentos o ganho de energia térmica não depende da variação de temperatura sofrida.


Exercício 7:

(UECE)
Considere que duas panelas elétricas, de diferentes fabricantes (Z e Y), elevam a temperatura da água de 21 °C até a fervura ao nível do mar. Em uma delas, a do fabricante Z, 2 litros de água fervem em 5 minutos e na outra, a do fabricante Y, 4 litros chegam à ebulição em 10 minutos. Sobre a potência utilizada para o aquecimento do líquido nas panelas dos fabricantes Z e Y, é correto afirmar que


A) POTÊNCIAz = 2.POTÊNCIAy
B) POTÊNCIAz = POTÊNCIAy
C) POTÊNCIAz = 5.POTÊNCIAy
D) POTÊNCIAz = 10.POTÊNCIAy


Exercício 8:

(PUC-SP)
Uma xícara contém 30 mL de café a 60 °C. Qual a quantidade, em mL, de leite frio, cuja temperatura é de 10 °C, que devemos despejar nessa xícara para obtermos uma mistura de café com leite a 40 °C?



www.aguadoce.com.br

Considere as trocas de calor apenas entre o café e o leite, seus calores específicos iguais e suas densidades iguais a 1g/cm3.

a) 15
b) 20
c) 25
d) 35